terça-feira, 23 de dezembro de 2008

E viva o amor!



Eu sou super fã da Ellen Degeneres (comediante americana que tem um talkshow, transmitido aqui no Brasil pelo Warner Channel) e sempre que eu posso assisto seu programa.

Eu me lembrava vagamente dela há uns meses atrás e a lembrança ficou viva mesmo depois de ter visto o vídeo do seu casamento com a atriz australiana Portia de Rossi. Elas são lindas, bem resolvidas, poderosas e tiveram um mini casamento igualmente lindo e poderoso. Esse vídeo que a própria Ellen publicou no site do seu talk show, faz parte dos meus top five, se não for o meu predileto.

A chatice toda é a tal Proposition 8 (mais
aqui) que, basicamente, anula uma lei já aprovada anteriormente no estado da Califórnia legalizando o casamento homossexual.

Me deixa meio triste, meio irritada; mais irritada do que triste na verdade. Que mané lei vir dizer se o amor de alguém é legal ou não, se pode ou não?! Tenha dó.

Pessoas públicas que são, Portia e Ellen se valem da sua posição e lutam por uma causa que envolve milhares de pessoas, cidadãos americanos que tiveram seus sonhos de casamentos oficiais perante a justiça destruídos. Um tormento antiquado e reacionário, que só propaga sofrimento. Um retrocesso estranho, no mesmo país e ano da eleição de Barack Obama.


Pra mim, o que vale mesmo é o amor.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Colores

Eu já falei aqui várias vezes da minha paixão por combinações inusitadas de cores. E também sobre as cores escolhidas para a decoração do casamento: azul e amarelo.

Na verdade, meu sonho era poder colocar flores bem azulonas como essas aí embaixo. A opção seria hortência, mas impossível porque, Salvador, mesmo em maio é quente, abafado;além da hortência não aguentar, é caríssimo porque vem de longe. Já vi casamentos com hortências lá, mas deve ter sido um orçamento milionário para suportar os custos.



Buquê lindo, mas o meu não será assim.



Fiquei muito feliz quando hoje dei de cara com essas fotos num site americano. Essa combinação não é muito comum nem por lá, então é díficil ver composições assim, reais. Eu achei lindo.

No meu não terá taaaaanto verde assim. Vai ter mais branco para compor e quebrar um pouco, mas não terão florzinhas verdes.




Na minha decoração também não terá toalha em todas as mesas - talvez nas redondas, apenas - mas serão brancas de rechilieu ou alguma outra cor básica. E nada de candelabros, pratarias, cristais, ok? ;)






Hoje pagamos a filmagem, à vista. Achei que ia pular de felicidade, mas fiquei, na verdade, aliviada. Ver todo aquele dinheiro saindo de supetão da minha conta, doeu; mas eu prefiro adiar um pouco o contrato, correr até o risco de perder determinado fornecedor, mas pagar à vista. Eu nem pensava muito assim, mas Henrique me convenceu a pagar tudo que desse do casamento à vista. Fiquei satisfeita de ter uma boa filmagem e isso me deixou feliz.

Acabei de me dar conta nesse minutinho que faltam 5 meses para o casamento. Já passou bastante tempo desde a nossa decisão: 1 ano! Sei que falta pouco tempo (tempo=dinheiro) para tudo, mas não acho que esteja voaaaaando, não. A verdade é que se eu tivesse mais tempo (lembrando: tempo=dinheiro), já tava tudo pronto (pronto=pago), só esperando ver meu vestido e o terno do noivo.

Maaaaaaas como querer não é poder, vamos indo aqui.


ps: Mais de 10.500 acessos... que susto!

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Vocês se lembram da minha voz?


A fênix ressuscita.

E cá estou tentando - nessa internet triiiiste do hotel - renascer das cinzas.

Pessoas, estou bem, curtindo um friozinho e uma chuva aqui em Sampa. Apesar da internet caótica, o hotel é confortável e, se tudo der certo, em breve estaremos na nossa nova casa, com lareira e tudo. De resto, estou muito feliz, animada com a mudança e com a sensação de que temos tantas coisas legais e interessantes para ver, ouvir e viver que, sabe aquela história de por pior que esteja, tá bom? Pois é. E nem tá pior, nada. Ou seja, tá ótimo.

Novidades casamentícias, humm... acho que não. Ah, na verdade tem uma, mas já tá velha pra mim. Fechei a filmagem.

Relutei muito e só fui a um fornecedor mesmo - querer que Salvador tenha mil fornecedores de filmagem é um sonho. Só sonho. Ouvi muitas opiniões: de quem pagou o mais caro dos caros; de quem não fez e se arrependeu; de quem pagou qualquer um só para ter; de quem "importou" de outro estado. E finalmente, escolhemos a Aldrivideo.

Fomos recepcionados por Alex, videografista e dono da Aldri e, de cara, já gostei dele. Dei uma de noiva-monstro e já fui falando que eu tinha um preconceito enorme com filmagem, que eu achava brega todos os efeitos especiais - todos -, que ele era a minha única opção, e só porque Serena tinha insistido deveras que fosse conhecê-los. Depois dessa entrada triunfal, super achei que tinha abafado. Que nada. Alex não só não se intimidou, como me mostrou o que eu queria ver. Vimos 3 vídeos e ele, espertamente, deixou o melhor de todos para o final.

Os 2 primeiros eram bons, mas ainda tinham um ou outro efeito especial que me fizeram titubear. Mas o último não. O último era maravilhoso. Um filme rápido, que tinha tudo que era preciso, SEM efeitos especiais. Tudo bem que o casamento foi lindo por si só, mas eu desconfio que a filmagem, no mínimo, conseguiu retratar fielmente o casamento, senão o embelezou mais.

Depois disso fiquei tensa, levei Henrique lá que também adorou e era hora de chorar no pé do caboclo. E com choramos! Alex fez tudo que podia e só nos restava fechar mesmo.

Sei não. Tô com uma sensação que me consome de uns tempos pra cá. Fiquei com medo de ter me precipitado, de estar colocando o chápeu onde a mão não dá com tudo. Do meu sonho de casar em uma casa na praia que não rolou, nosso casamento até que tá simples, mas aos poucos parece que tá ficando muito maior do que eu imaginei. Por um lado eu acho que vale à pena, sim. Por outro, eu fico com medo de ter sido seduzida demais pelo mundo do casamento. Tá, não vamos ter lembrancinhas, não vamos ter havaianas, não vamos ter apetrechos de pista, não vamos ter banda, não vamos ter malabarista, nada. Todos o investimento é na assessoria, comida, bebidas, conforto para os convidados, decoração, foto e filmagem. A única coisa que eu não abri mão foi o nosso convite, que vai ser super diferente e com isso, gastaremos um pouco mais; inclusive com as postagens, porque... ah, ehr... não posso dizer ainda.

Bem, tô nessa crise confusa aí.

Ah! Tô na maior dúvida: quando é que eu tenho que começar a ver orçamento de vestido de noiva? Já decidi que eu farei com costureira e já tenho algumas indicações aqui de SP. Mas eu sei lá quando devo começar a ver... vocês têm idéia?

No mais, é bom estar de volta e tentarei voltar a minha assiduidade normal.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Cliente X Fornecedor

Antes de tudo, meninas, obrigada!

Pelas palavras, pelo apoio, pelas dicas, por me "ouvirem".
Estou um pouco melhor... Conversei muito com Jo que, lá de Bruxelas, conseguiu me dar alguma luz e reforçar o "mutirão da animação" de vocês. Obrigado todas, por tudo!

**************

Queria falar rapidinho sobre uma coisa que acho muito importante. Nós noivas, fazemos tanta questão de nos proteger de fornecedores ruins, que podem nos prejudicar e não cumprir com o prometido. Somos super articuladas e nos comunicamos sempre pedindo indicações e ai de algum fornecedor que pise na bola: entra na hora pra Lista de Schindler das noivas.

Mas e quando é a noiva que pisa feio na bola? E quando o fornecedor é prejudicado por uma noiva sem-noção? E o pior: prejudicado por ter
confiado na palavra de uma noiva?

Pois é, isso aconteceu com Carol Pires, minha fotógrafa e amiga. Ela dispensou 2 casamenos no Rio por dar sua palavra a uma noiva de Recife, que por sua vez tinha dado sua palavra a Carol que fecharia o contrato - disponibilizando dados e tudo - mas que terminou dando o cano nela e no outro fotógrafo que faria o casamento junto com ela. Imagine se fosse o contrário? Carol essa hora estaria na lista de Schindler das noivas e até eu estaria aqui, tensa, pensando: será que minha fotógrafa vai sumir e não aparecer no meu casamento também??

É só pra pensar um pouco no outro lado, o do fornecedor. Nós temos o argumento que nosso casamento é uma data única e especial, por isso, nada pode dar errado, porque não volta atrás. Mas os casamentos que Carol deixou de fazer, também não voltarão atrás. Aconteceu com ela, mas pode... aliás,
deve acontecer com vários fornecedores também. Eles não ficam mais pobres por conta disso, mas palavra é palavra, seja de que lado venha.

No Blog de Carol tem um desabafo dela sobre o babado. Aproveitem pra conhecer e ver um pouquinho das fotos lindas dela que a noiva boboca perdeu... ;D



(De)coração partido


Não escondo de ninguém a paixão que tenho pelo jeito americano de decorar casamentos. Adoro a forma como eles usam cores aparentemente esdrúxulas e, voilá! decorações deslumbrantes aparecem.

E esse é o meu grande problema neste momento. Eu quero uma decoração simples, mas diferente e bonita (lógico.)... e isso custa muito caro! Eu fiz 2 orçamentos de decoração, onde os dois ficaram fora do nosso teto máximo de gastos. Isso, em si, já é um problema. O problema maior ainda é que a decoradora que eu mais gostei, que eu mais me identifiquei, que eu queria muito que fosse a nossa decoradora, porque é uma fofa e saberá bem fazer uma festa ao nosso estilo foi a mais cara das duas. E confesso que não sei se tem como enxugar mais alguma coisa ali. Já é uma decoração simples. Sofisticada é verdade, mas muito simples, sem candelabros, velas, cadeiras Luís XV, vegetação abundante, nada disso.

Hoje eu fiquei triste. Chorei até. Faltam só 6 meses para o casamento, os gastos já estão à beira do descontrole e ainda falta um monte de coisas pra gente pagar, fora as que já estamos pagando. E olha que não fizemos nenuma gracinha, nenhuma coisinha fofinha, nenhuma lembrancinha.

Caos total.

Além disso, ainda estamos pensando seriamente em contratar filmagem, coisa que estava totalmente fora de cogitação. Não só pensamos, como achamos uma empresa ótima, do jeito que queríamos mas, como nada é perfeito, é caro, muito caro pra gente. Ainda não desistimos, mas já tem alguém querendo a data também e vamos ter que decidir logo: dizer não ou arriscar mais alguns milhares de reais em dívídas.

E nesse momento, pensar que "vai dar tudo certo" não me parece muito realista. Estou há um ano vendo tudo, fazendo e refazendo contas, dormindo pouco, procurando por um emprego desesperadamente (que não vem nunca) pra ver se assim as coisas melhoram. Já enchi o saco dessa prévia eterna que são os preparativos; posso até morder minha língua, mas eu aposto que não vou sentir saudade nenhuma desse momento. Vou continuar adorando ver coisas sobre casamento, continuarei pesquisando coisas, vendo fotos e admirando, mas saudade?! Duvido. Acho que eu pagaria todo o dinheiro do mundo para nosso casamento ser nesse domingo, agora.

Ai, hoje eu não estou bem.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Fechei o bolo...


...e mordi a língua! Reclamei, reclamei, reclamei, atormentei o juízo de todo mundo com o preço dos bolos, os tais R$ 420 reais atormentaram o MEU juízo, me indignei, fiquei puta da vida com esse mercado de casamento e acabei fechando meu bolo por mais de R$ 420 reais.

Vergonha na cara? Zero. Minha dignidade está no lixo. Sou uma vendida felicíssima porque terei o melhor bolo de casamento que eu poderia imaginar!

Bem, quem me indicou Kátia Pellegrini foi Serena. Aliás, indicou, não, super indicou; já tinha me alertado que os bolos dela eram deliciosos e muito bem feitos, além do atendimento muito bom. Pois bem, fui e comprovei.

Kátia é um amor de pessoa e tem uma mão mágica para bolo. Conversamos sobre os modelos, sobre como ela cobrava seus preços, mostrei a foto do modelo que eu quero, simplérrimo e fomos às vacas frias: o preço, propriamente dito. Na hora que ela me disse, eu levei um susto. Não era muito mais caro que o outro orçamento, mas era mais caro e eu já fiquei tensa. Perguntei a ela se esse preço era a melhor oferta que ela poderia me fazer; ela sorriu e disse que traria uma degustação para a tropa - eu, amigona e prima - experimentar.

Momento crise: eu lá rezando pro bolo ser normal, eu agradecer e ir embora. Mas não foi assim e o resto vocês já devem imaginar...

O bolo é delicioooooooooso! Uma massa incrível, leve e macia, com um sabor singelo; três camadas de recheio; e que recheio, meu deus! A gente experimentou 6 recheios: baba de moça, baba de moça com maracujá, nozes, castanha de pará com coco, ameixa com chocolate e damasco. Os únicos que eu não gostei muito foram os dois últimos, porque eu não gosto de ameixa e o de damasco, apesar de ter muito damasco, não me conquistou. Mas os outros, A-VE MA-RI-A! Uma coisa de louco. Não são doces e tem o sabor beeeem definido; e junto com a massa que é bem suave, ficou um manjar dos deuses do Olimpo.

Terminei de comer minha degustação, conversamos mais um pouco e fechei com ela.

Mas antes de chegar em casa, minha crise interna se instalou. Não me reconheci! Nunca fechei um fornecedor assim, de cara. De fato o bolo é de-li-ci-o-so, muito bem feito, acho que vale o preço que tem, mas não sabia se poderíamos pagar por aquilo.

Henrique chegava de viagem sábado de madrugada, isso tudo foi na sexta. Quando acordamos, a primeira coisa que conversamos foi sobre isso. Eu estava possuída! Morrendo de medo! Não de ter feito um mau negócio - porque isso eu sabia que não tinha feito, mas de ter me precipitado e ter fechado um serviço pelo qual não poderíamos pagar. Mas foi ótima nossa conversa. Por causa do meu escarcéu, Henrique estava achando que eu tinha fechado um bolo de mil reais! Hahaha Quando disse o preço, ele achou que ia ser até mais caro! Ui, foi um alívio.

Agora eu estou aqui, mega feliz, sabendo que terei o melhor bolo de casamento da minha vida no meu casamento! E não vou dizer que isso não tem preço, porque tem sim - e não é barato - mas que bom que podemos pagar!

Mais um ítem incluído no check list!



quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Bolo e cores


Ai ai... essa maratona de casamento me cansa um pouco. E sim, eu estou resmungona e velha coroca hoje.

Uma das amigas desmarcou e uma das boleiras também. Nem tudo está perdido, porque fui em uma delas, mostrei meu bolinho modelo, experimentei um pedacinho delicioso com o melhor recheio de nozes que já comi na vida - e eu não gosto de nozes, que conste em ata - e recebi um safanão. Gente, eu já decidi meu modelo de bolo. É um bolo de 3 andares, sendo 1 falso, bem redondinho, branco, liso, totalmente sem naaaada - flores, bolotas, corações, laçarotes, frases, grafismos, nada - só com uns poázinhos, ponto. Eu tenho total consciência que a mão de obra tem um preço, a qualidade dos materiais outro, o confeito (por menor que ele seja) mais outro, mas nada me convence que faz sentido a pessoa me cobrar 420 reais pelo modelo de bolo que eu mostrei. Ela ainda me disse, que os preços dela começam - eu disse COMEÇAM - em 500 reais, mas como meu bolo era um bolo SIMPLES (ela percebeu!) me cobraria 420 reais.

O bolo é realmente divino, ok. Uma massa deliciosa, que tem gosto de BOLO, não de torta. Não é molhadinho demais, mas é mega macio e a textura é incrível. Fora que ela não usa pasta americana, que eu odeio, usa glacê de limão. A pasta americana só entraria nos detalhes, que por acaso, o meu não tem. E ela me fez gostar de um recheio de nozes. Muitos pontos para ela; até poderia passar para a próxima fase, não fosse o valor. Não achei que fosse barato, mas tava numas de, tipo, no mááááximo, 300 reais; 200 reais, o ideal, fechava na hora.

Minha amiga não se supreendeu, ou seja, uma pessoa bem mais realista do que eu.

A outra boleira desmarcou hoje, mas remarcou para amanhã. Tudo certo, estaremos lá eu e amiga, pra comparar. Mas dessa vez vou levar meu colete à prova de balas.

....................

Falando de cores... a combinação amarelo e branco de fato arrebatou meu coração. Consigo visualizar tudo. Mas sentia que faltava alguma coisa. Decidi que o que faltava era o lilás! Estava mega feliz com minha combinação, até que Serena argumentou, com muita paciência (mentira, ela atormentou meu juízo), que essa combinação era cara de aniverśario de 15 anos. Eu não acho, mas como eu também não queria abusar do verde, pra quebrar o lilás/amarelo, terminei me convencendo.

Mas eu queria alguma outra cor. E finalmente chegamos no azul - combinação que já existia nos meus registros mentais, por causa da minha querida Jo, que já havia cogitado algo parecido.

Azul, amarelo, branco, com mobiliário de madeira e palha e vasos de cerâmica. Amei. Estou radiante. E pra mostrar que faz sentido, fotos lindas com essa combinação que, incrivelmente, não me lembra o Brasil-sil-sil....






quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Novidades

Antes das novidades - que não são tãããão novidades assim... - eu quero agradecer a todos os comentários sobre a polêmica do outro post.

Me senti super acolhida por todas - pelas que me acalmaram e que me fizeram acreditar que tudo dará certo; e àquelas que me alertaram, me fazendo pensar em alternativas para que tudo dê, de fato, certo.

Obrigada meninas!!!

Vamos às novidades.

Uma das coisas que voltei a pensar depois das opiniões no post anterior, é o save the date. Já quis e já desisti, por motivos diversos: porque aqui em Salvador o povo não tem esse hábito, porque não ia fazer muito sentido e pra economizar, lógico. Mas, depois de todas as reviravoltas, voltei a pensar e achar que faz todo sentido agora!

Primeiro: 1. estaremos longe e é uma forma de envolver as pessoas que não estão acompanhando (porque
também não estamos divulgando); 2. pro povo já ir preparando o espírito por causa da data; e 3. depois de ver tantas coisas lindas nesse mundo afora eu, ca-la-ro, já tenho tudo esquematizado na minha mente neurótica de noiva e vai se encaixar perfeitamente na nossa idéia geral para o casamento.

Como os convites já estão em fase de realização (serão liiiiiindos!!! Diferente de tudo que todo mundo já viu sobre convites de casamento.) e também toda a papelaria - cartões da árvore dos desejos, cards de agradecimento, tags de mesa - vou aproveitar o ensejo e incluir os save e as tags pros carros (eu preciiiiiso inventar moda).

Amanhã eu vou ver duas boleiras (ou cake designers, pras chiquetosas) e estou com medo. Não queria ter que gastar 5 centenas de reais no bolo, mas queria um bolo lindo e gostosíssimo, porque eu AMO bolo de casamento. E o meu tem que ser o melhor bolo de casamento da minha vida inteira. Convoquei 2 amigas (madrinhas, mas uma ainda não sabe!) pra irem comigo.

Fiquei super feliz, porque até hoje eu vi tudo só e não tenho muito com quem compartilhar. Minhas amigas procuram saber quando nos encontramos, se empolgam quando eu conto algo, mas não rola uma atividade cotidiana de envolvimento. Eu entendo, até porque a vida de todo mundo é na loucura também e, justamente por isso, estou muito feliz de poder contar com elas amanhã.

Já já eu volto pra contar se o bolo deu em pizza...

sábado, 11 de outubro de 2008

Polêmicas

Gente, fiquei tensa essa semana.

Conversando com Serena, minha assessora, tocamos novamente no ponto frágil do dia do casório.

O dia da semana - domingo - foi escolhido por baratear o aluguel do espaço e por ser o meu aniversário, dia 10/05/09. Estaremos morando em outro estado, vamos gastar um dinheirão com tudo, poxa, nada mais justo do concentrar a festa 3 em 1 - oficialização, comemoração dos 4 anos de casório extra-oficial e aniversário da noiva - pra poder abraçar, ver, curtir momentos importantíssimos com todo mundo que amamos.

O problema é que o belíssimo dia do meu aniversário tem um concorrente de peso: dia das mães. E o pior: eu só descobri isso depois que tinha fechado o buffet e o espaço.

Serena, nas nossas reuniões de ontem e hoje, mostrou-se preocupada com isso. Além de nossa festa ser pequena - 100 pessoas - é um domingo, o que já reduz a frequência dos convidados, e dia das mães. Resumindo: ela tá com medo de que vire um enterro e não um casamento. Pô, se ela tá com medo, imagina como eu fiquei?!

Assim que descobrimos esse pequeno "pormenor", eu e Henrique sentamos, discutimos e achamos que por ser uma festa íntima, com poucas pessoas e pessoas essas que terão suas famílias convidadas - leia-se, as mães! - nada mais legal do que ter um festão disponível - leia-se, free - para comemorar com amigos, mães e mães dos amigos. Eu sei que, pelo menos a gente, pensaria assim. Mas e os convidados que não terão as famílias convidadas? Claro gente, eu não posso começar a convidar TODAS as famílias, porque meu casório NÃO É uma quermesse. Mas eu penso que sendo de manhã, programado para terminar antes das 16h, dá pra ir lá, nos dar um beijo, fazer uma boquinha, tomar uma tacinha de espumante e correr pra casa da mãe pra ficar a tarde inteira com ela. Frisando: EU faria isso, sem dúvida.

Pois. Estou muito triste com isso. Com medo da minha linda festa se tornar um fiasco, porque o dia das mães resolveu se instalar em todo santo-segundo-domingo-de-maio. E também fico triste quando penso que não dá mesmo pra abrir mão de algumas horas para prestigiar amigos que estarão morando longe e preparam há meeeeses - até agora, 13 meses - uma cerimônia simples, mas pensada com todo cuidado do mundo, preparada com dificuldades e muito esforço?? Tá tudo bem, isso tudo é problema meu, ninguém tem obrigação de nada. Só que eu pensaria assim e iria feliz e serelepe homenagear meus amigos.

Agora não tem mais jeito. Não tem como mudar a data, nem como adiar mais. Não tem porque nós não queremos. Vamos ver e seja o que deus quiser.

E vocês, o que fariam? Deixariam de ir num casamento matutino, domingueiro, só porque é dia das mães?

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Abuso e crime

Olá meninas,

Depois de tanto tempo viajando estou de volta a minha terrinha - pelo menos por mais esse mês - e ao blog.

E já começo com um post indignado. Recebi um email hoje de um fotógrafo daqui de Salvador - que deve ter conseguido meu email num desses bancos de cadastro - fazendo a divulgação do trabalho dele, mostrando para o mundo ver "porque escolheram o trabalho do Studio dele", segundo suas próprias palavras. Até aí, tudo bem. O problema é que as fotos que ele usa para divulgação, não são dele. Reconheci de cara algumas fotos que são da Pat Figueira e levei um susto. Comecei a olhar e percebi que quase todas as fotos não deviam ser dele.

Imediatamente entrei em contato com a Pat - através da Carol Pires, minha fotógrafa - e encaminhei o email para ela. Depois, revendo as fotos pra ver se reconhecia mais alguém, vi que ele esqueceu de tirar uma marca d'água que tinha o nome de outro fotógrafo, Daniel Nobre. Pelo google, achei rapidamente o blog de Daniel - lindo por sinal, quem quiser ver: http://www.cravoecanelaphoto.com/blog/ - e também entrei em contato com ele, por email e pelo blog.

Esse post é um alerta às noivas principalmente de Salvador e a todas as noivas: muito cuidado com fornecedor. Aqui em Salvador as noivas são muito pouco articuladas e isso colabora para a formação de uma panelinha de fornecedores - pra não dizer, cartel - que dificulta a vida das noivas e a melhoria dos serviços. Fazendo parte do Clube das Noivas e da comunidade Casar é Fácil do orkut, vejo quantas vezes as noivas sofrem com fornecedores inescrupulosos e irresponsáveis. E é justamente a comunicação entre nós que vai inibir esse tipo de prática.

Se eu não fosse uma noiva super articulada e antenada com o que acontece fora dessa cidade, muito provavelmente eu me encantaria com as tais fotos e contrataria o serviço. A lambança mesmo só ia aparecer depoooois do casamento, junto com o prejuízo e a decepção.

Eu não vou colocar aqui o nome do dito cujo, porque não quero abrir espaço para uma confusão extra-oficial; a confusão que eu quero é a judicial e pra isso, ele mesmo já deu as ferramentas.

As noivas de Salvador que quiserem saber quem é, é só me perguntar que eu direi com todo prazer.

um beijo à todas.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Visita de medico!

Pessoal, passei rapidinho so para nao deixar vocês boiando!

Eu estou viajando e esta meio impossível de atualizar o blog. Mas assim que voltar espero ter muitas novidades e estou com muitos assuntos acumulados. Ou seja, vai ser uma verborragia danada.

Sobre o casamento da Jo, nossa, foi tudo lindo de morrer. Começando pela própria que foi uma das noivas mais lindas que ja vi, passando pela cerimônia e terminando com chave de ouro numa festa linda e a cara dos dois.

Alem disso tudo eu ainda fui com a noiva, no carro dela - estou ficando expert em filar carona com a noiva, com a Rosinha (outra amiga do Rio, foi a mesma coisa) - e passei por um momento uepaaaaa! porque tive que colocar o veu da Jo que caiu no caminho para a Igreja.

So no momento que vir isso aqui eh que ela vai saber dos apócrifos da novela: que eu nunca fiz isso na mi-nha vi-da e que eu e Carol (Pires, nossa fotografa) ficamos trocando olhares desesperados na moita, pra Jo nao ver. Quando ela entrou na Igreja eu nao conseguia pensar em outra coisa, so que, se esse veu caísse em plena cerimônia, eu ia cortar meus pulsos com um caco de vidro ali mesmo.

Como eu to aqui pra contar a historia, vocês ja devem ter imaginado que o veu nao caiu e que meus pulsos esta intactos.

Ah, e perdoem-me a falta de acentos mas o computador nao eh meu e eu to meio perdida nele... ;D

beijocas

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Globalização casamentícia


Nunca escondi o meu apreço por casamentos americanos. Nisso, eu acho que eles arrasam! As cores, as idéias, as inovações, adoro tudo! Mas tem algo que me deixa totalmente enloquecida por eles: as lembrancinhas e os objetos de decoração da festa.

As lembrancinhas são lindas! Tem umas coisas que eu acho bem cafoninhas - e me lembram as tais lembrancinhas de porcelana que foi moda e única opção durante séculos e também o medo que eu tenho dos americanos - mas outras que, deus do céu! Caixinhas, fitinhas, embalagens, miniaturas, rótulos... até me cansa às vezes.

Os objetos de decoração são fora de série!!!! As luminárias japonesas que dão aquele up; as garrafinhas lindas, os tecidos e estampas... afe. Sem comentários.





God save Martha Stewart






Mas tudo tem uma parte boa e uma ruim. A parte ruim... ruim não, HORRÍVEL é que 1. é tudo em dólar; 2. poucos sites sensacionais entregam no Brasil e os que entrgam, dependendo do valor da compra, tem as tais taxasde importação.

A parte boa é que a mãe de um dos padrinhos mora nos States e eu vou usá-la de mula! Vou mandar um monte de coisa pra casa dela e ela só vai ter o trabalho de encaixotar tudo e mandar pra mim! Tax free! Êba! Vou gastar uma boa graninha, mas vai ser infinitamente mais barato do que se eu comprasse as coisas aqui.

Pra quem não tem a mamata, deixo dois sites que eu sei que entrgam no Brasil:


- Ebay - que não é lá totalmente confiável, demora que é uma tristeza, mas existem relatos que deram certo (falem com a Wal, para quaisquer dúvidas: ela comprou as bolinhas de sabão lá!)

- BeauCoup - o meu predileto e os melhores preços (fora o Ebay, que é pechincha e merrequinha na certa!). Eles entregam no Brasil e já soube de uma noiva que encomendou e chegou tudo nos trinques.

Quem souber de mais algum, please, contribua para a lista acima, ok?

Deixo vocês com algumas coisas fofas...






terça-feira, 9 de setembro de 2008

Socorro

Porquê, Deus, porquê?

Eu estava tão quietinha e tranquila. Não sou a melhor das pessoas, mas também não cometo muitos pecados.

Mas precisava me pisotear tanto assim? Eu merecia tamanha devastação?

Até domingo, não havia dúvidas. Sequer pensava nisso, não era um ítem a ser discutido, muito menos sofrido.

Aí, eis que Ana Sofia Folch resolve se casar com um vestido-arrasa-quarteirão, maravilhoso.




Lindo, singelo, romântico e expressivo. Tá tudo lindo, tudo combinando perfeitamente.



Foto: www.terra.com.br/galerias

Inclusive o noivo, que tá uma gra-ça.

Mas a minha paixão descarada e declarada é pelo vestido.

Toda a minha certeza do tomara-que-caia-perfeito-que-eu-tinha-encontrado foi por água a baixo.

Ó ceus. Não sei o que será de mim.

ps: o bolo será redondo! Achei um incrível. Quer dizer, "será", assim né, se eu não mudar de idéia nos próximos 8 meses.

ps2: é mesmo, ia me esquecendo... Contagem regressiva: 8 meses!

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

O bolo

Foto: www.carriescakes.com

Ai como eu amo bolo de casamento!!!

Além de achá-los liiiindos - até os que eu não gosto, consigo dar o devido valor - é, na maioria das vezes, muito gostoso. Porque bolo é bolo e bolo é bom, certo? Bolinho de casa, daquele simplérrimo (que eu chamo de bolo de ovo! hahah) pra tomar com café já é uma delícia. Ser um bolo de casamento então, é o ápice, o climax, o momento primordial da vida de um bolo.

Eu sempre como o bolo nos casamentos como uma forma de prestigiá-lo, afinal, se ele não for comido, não cumpriu 50% de sua função neste mundo, oras. Eu que não vou contribuir para isso.

A responsável pelo meu buffet me mostrou um "bolo" de casamento deles feito com caixinhas quadradinhas - organizadas em pirâmide, como se fosse um bolo quadrado de 3 andares - que continham um mini bolo, para os convidados levarem. Muito legal, diferente e modernoso, mas já fui logo dizendo que no meu eu quero um bolo beeeeeem bolo. Ela riu...

Eu sou uma noiva tão maluca, que perco mais tempo procurando O bolo perfeito do que o vestido. Aliás, não estou muito preocupada com o vestido; nem um pouco para dizer a velha e boa verdade. Mas com o bolo, ah, o bolo tira o meu sono!

Primeiro porque eu acho vários lindos. Depois que a dúvida do formato me aflige. Até semana passada eu tinha certeza que meu bolo seria quadrado. Acho lindo, chique, não sei... me encanta. E já tinha o meu eleito.

Sabe Deus porquê, essa semana eu tô encasquetada com os bolos redondos! Comecei a achar eles mais lindos, mais chiques e mais "casamento". E o grande problema é que tem mil bolos redondos bonitos; o que não acontecia com os quadrados.

Eu já tenho duas boleiras finalistas, mas estou tendendo mais pra uma delas. As duas eu experimentei o bolo, nas respectivas festas, ou seja: sem chance de enganação, muuuito bons e saborosos. Mas com uma delas eu quase tive uma síncope de tão delicioso. Vamos só ver os orçamentos e decidir pelo preço só se houver muita diferença.

As únicas certezas que eu tenho é que serão três andares - acho o tamanho perfeito - e a massa será branca. Ah! As outras duas certezas (são quatro então): não pode ser cenográfico - não gosto e como o meu será pequeno, dá pra fazer pelo menos 2 andares reais - e não será de pasta americana. Não que eu goste de glacê (ou glace, eu nunca sei), mas eu de-tes-to pasta americana: aquele negócio borrachudo com gosto de pasta de dente... eca.


E aí pessoas, bora votar? Quadrado ou redondo na cabeça?


Selinhos

Pessoal,

Ganhei esse selinho da Isa (eu só descobri hoje!! =P):

E esse outro também da Isa e da :

Fiquei feliz! Obrigada meninas! ;D

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Tule é tudo!

Aaron Delesie - www.aarondelesie.com


Sem muitas palavras, só para reforçar o meu amor pela combinação tule + estilo + bom humor.


segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Solta o som!



Já me preocupei com muitas coisas durante esses séculos de preparativos. Desde as bem fúteis como se o dinheiro vai dar para fazer docinhos de marzipã em forma de noivinhos, como as nada fúteis: se o dinheiro vai dar, simplesmente.

Minha última preocupação e que, julgo eu, da categoria das não fúteis é o som da festa. Porra, tem que ser um som massa!

Já rola uma dificultada no estilo do playlist porque é de manhã e não dá pra botar uma seleção boate qualquer porque, afinal, não vai ter boate. Mas tem que ter dança, porque é de manhã, mas não é batizado, muito menos funeral (toc toc toc)...

Meu sonho de consumo era uma bandinha de samba, partido alto, sambalanço, essas coisas bem animadas, mas que saem do eixo balada, luzes estroboscópicas e globos espelhados. E ainda que o Casório fosse à noite, eu ia continuar querendo meu sambalanço lá.

E não tem galera animada que agite festa se não rolar um som bom. Principalmente num casamento; principalmente no nosso Casório não porque somos melhores do que todos, mas porque somos muuuito musicais! Henrique, além de músico, ouve quase tudo e tem amigos também músicos que descobrem o "quase" e mostram para ele; eu, da minha parte, ouço música o tempo todo, tudo o que você pode imaginar; gosto de saber a história do cantor, músico, a história do ritmo, essas coisas mais de pesquisadora. Fora que eu AMO dançar.

O problema é achar aqui em Salvador, uma criatura que faça isso e que não cobre absurdos. Não achei, porque ainda não procurei, mas pelas festas que fui no último ano e o que tinha lá de dj, não passa nem perto do que eu quero. Eu não vou ter música ao vivo na cerimônia porque a cerimônia e a recepção serão no mesmo lugar e eu quero unir o útil ao mais barato e imagino que, contratando a mesma pessoa para tudo fique prático e mais barato, lógico.


Então, né, bora aparecer dj's (legais, financeiramente viáveis e soteropolitanos)?

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Detalhes que amo!


Hoje, 9 meses para o Casório: começou a gestação oficialmente!


Ai ai.


Esse mundo de casamentos é mesmo uma caixinha de surpresa. Todos os dias aparecem novidades sem fim, coisas fofas, interessantes e bonitas. Agora a moda da personalização. Quem não quer seu casamento todo cheio de detalhes que se complementam, criando um conjunto chique e surpreendente? To-das as noivas! Incorporou-se a idéia da identidade visual para as festas - que pode ser bodas, 15 anos, aniversário além do casamento - e de fato é uma bela idéia.

Mas duas coisas me preocupam: quando todo mundo quer uma coisa, todo mundo vai fazer isso e é bem possível que a inovação de hoje se torne o batido de amanhã. Aliás, bem possível, não: é o que acontece. Além disso, todas essas personalizações podem sair bem caras para as noivas - no caso do casamento - que não tenham habilidades manuais, tempo ou paciência para tal empreendimento...

Eu quero, sim, muitas coisas legais e diferentes para o nosso Casório, e até tenho habilidade, mas não tenho muito tempo, nem paciência, muito menos dinheiro para isso. Já temos A mão na roda, que é um amigo nosso que fará todo o lay out da papelaria do Casório - convites, save the dates, cartões de agradecimento, menus, tags, marcadores de mesa... tê-u-dê-ó: tudo! - mas ainda resta o custo da impressão de tudo, lógico e será por nossa conta. Além disso, eu adoro a idéia da lembrancinha durável, mas quero algo diferente e que não me custe além das calças, as córneas e um rim.

Eu amo fotografia e esse foi um dos primeiros ítens definidos e fechados para o casamento (leia mais aqui). Fotografia é definitivamente uma coisa que eu invisto e investiria sempre! Pensando nisso, uma idéia que muito me atrai mas já digo de antemão, impossível, são as tais Photo Machines americanas.

www.danagrantphotography.com/blog

Gente, imagina que troço divertido!!! Eu me acabaria de tirar fotos com todo mundo! Já andei dando uma procurada pra ver se existe aqui no Brasil, só por curiosidade e mesmo que exista, não tem como trazer até Salvador óbvio, porque aqui as coisas nunca chegam e, quando chegam, custam um preço irreal. Fica o meu registro: CADÊ OS FORNECEDORES DE UMA BAGAÇA COMO ESSA????

Uma idéia que se aproxima disso são as tais "fotos malucas".Sinceramente, eu não gosto. Fica parecendo festa de empresa ou de aniversário. Pra casamento, eu não gosto. Uma opção que eu pensei é reservar um lugar no salão, colocar um pano bem estampado, bonito mas ao mesmo tempo chamativo numa parede e plantar um fotógrafo lá pra tirar foto do povo. Não precisa ser um mega fotografo para isso, portanto, não custaria uma fortuna. Eu tô pensando seriamente no caso. Ficaria uma coisa assim:


Mas sem o povo enfeitado, só as poses. Acho que uns chapéus diferentes eu suportaria, mas prefiro mil vezes se forem só as poses. Tá todo mundo enfeitado o suficiente, né não?

Outra idéia maravilhosa que eu já tinha visto, é mandar fazer um display daqueles que só tem o corpo e, a cabeça, é de quem bota pra tirar a foto, como tem um milhões de lugares, em pontos turísticos, por exemplo, o corpo de uma baiana de acarajé, aí vc vai, bota o cabeção e tira a foto, sabe? Mas com o corpo de noivos! E os convidados ficam lá, tirando fotos e se divertindo. Achei também uma idéia parecida, mas com a foto dos noivos inteira. É uma possibilidade:


Indo na mesma lógica, a idéia que eu mais amei, de todas as idéias fotográficas que eu vi - e, aliás, pode ser conciliada com as outras - é essa aqui:

Hahahahahaha! Muito boa! Se não der pra rolar uma "parede" de molduras como essa, larga umas molduras lá no meio do povo e deixa ele se acabar! Acho beeeem mais legal do que essas coisas de pista e óculos coloridos batidos. Imagina deixar umas molduras dessas, uns véus bem compridos daquele tule de saia de balé, uns buquês bem extravagantes e uns girassóis à la Falcão para os homens usarem de boutunniere... SENSACIONAL!

Fica a dica e a torcida para dar certo e a gente bombar no Casório com as melhores fotos de todos os tempos.



O melhor convite do ano


Pessoas, juro que estou meio sem sentidos ainda.

Portanto, se eu escrever alguma coisa estranha, compreendam.

Agorinha há pouco, ainda assistindo a abertura das Olimpíadas - belíssima por sinal - mas já desinteressada, fui ver meus emails. Aí estou eu, lá, tranquilamente, vendo minhas mensagens, inocentemente, sem saber o que me esperava. E... Opa! Um email de Iara - vulgo, Florzinha - minha amiga, irmã, querida e amada que mora em Brasília e está preparando o casamento dela com Guiú* - o outro amigo, irmão, querido e amado, baiano e morador de Brasília. O assunto do email era, se não me falhe a memória de curtíssimo prazo, "Novidades do casamento" e tinha um textinho rápido com uma frase de suspense, além de um vídeo anexado.

Baixei o vídeo e nem vi qual era o nome do arquivo, porque tava me dividindo entre a abertura lá em Beijing e os emails. Baixou o vídeo, botei meu fone e qual a minha surpresa em ver no primeiro segundo do vídeo a seguinte frase: "Padrinhos Xpita* e Zeza"...

HEEEEEINNNN?

E logo em seguida me aparece os dois no vídeo, falando coisas lindas, dizendo como nos amavam e como éramos amigos importantes. Ah, e é, nos convidando para padrinhos do casamento deles. Fiquei catatônica e comecei a chorar. Assim, imediatamente! Aí fui assistir de novo porque eu fiquei tão chocada que perdi os detalhes! Só que na segunda assitida, os detalhes me fizeram chorar mais ainda e foi, justamente assim, chorando loucamente, que eu liguei para Iara e só consegui, além de chorar claro, agradecer, agradecer e agradecer e dizer o quanto eu estava honrada de poder cuidar um pouquinho dessa união também.

Queridos, essa é a única foto que tenho de vocês e é uma vergonha. Portanto, sorry, mas tinha que constar.

Tudo que eu escrever aqui não será suficiente para descrever a importância que nós quatro temos um na vida do outro. Guiú sempre foi um querido que, de amigo de Henrique, virou meu amigo, irmão e que de brinde trouxe Iara paras nossas vidas. Vivemos geograficamente distantes, mas posso dizer com muita propriedade que isso não é capaz de nos afastar e sempre temos o maior cuidado de participar ativamente - no que é possível - um da vida do outro. E digo, também com muita propredade, que conseguimos fazer isso.

Iara e Gú, vocês sabem o quanto eu gostaria de poder estar participando do cotidiano dos preparativos de vocês. Vocês também sabem da importância que vocês tem na nossa vida e do amor imenso que sentimos por vocês. Por isso, esse foi, sem dúvida, o maior presente que poderíamos - falo sim por nós dois, mesmo sem Henrique saber ainda! - ter recebido esse ano.

É também com muito amor e empolgação que, LÓGICO, aceitamos esse convite que é, verdade seja dita, irrecusável. Obrigada, obrigada, obrigada!

E Iara, sinto muito minha filha, mas eu vou me acabar de chorar mais ainda agora, ou seja, você tem três opções: não olhar para mim, pra não me ver chorando rios e poder se segurar; olhar pra mim, me ver chorando rios e dar seu jeito para se segurar; e finalmente, olhar para mim, me ver chorando rios, chutar o pau da barraca e chorar mais ainda do que eu, porque o dia é seu e nele você faz o que você bem entender, PORRA!

Hoje o post foi bem piegas (salvo o finalzinho) mas, mereceu bem merecido.


*Guiú é o apelido carinhoso de Guilherme.
*Xpita é o apelido carinhoso que Guiú chama Henrique. Leia-se "Xispita".

terça-feira, 5 de agosto de 2008

O carro da noiva

Eu não vou precisar usar um carro chique porque eu vou me arrumar no lugar onde vou casar: uma sala da noiva linda de morrer, cheia de firulas, bem do jeito que eu gosto. É um alívio, porque é uma preocupação a menos e um gasto a menos! E deixar de gastar coisas quando se fala em casamento é quase um milagre.

Mas quando tínhamos o nosso sonho de casar na praia, numa casa legal, eu e Henrique já tínhamos planejado a nossa chegada triunfal: uma kombi, branca, cheia de flores bem anos 70 plotadas - quase a Mistery Machine do Scooby-Doo! Sim, chegaríamos juntos, com ele dirigindo!!! Ahahahah

O sonho de Henrique é ter uma kombi. Confesso que deve ser divertido encher a kombi de amigos e ir pra praia, pro shopping, pra uma festa! Tenho certeza que, quando ele puder, vai comprar uma kombi.

Eis que chego hoje no blog da Marcia Charnizon - fotográfa espetacular - e vejo a seguinte foto:

Farra boa demais dentro do Kombão - Foto: Márcia Charnizon


Concretizou o meu sentimento de que meu marido sabe beeeem das coisas... E é por isso que eu o amo demais.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

A tal Feira de Noivas...

Lá vamos eu e Henrique, até animadinhos, para a Expo Noivas.

Ao chegar lá, a primeira complicação: estacionamento. Ok, nenhum estacionamento de nenhum evento prevê que todos os carros, sem exceção, sejam estacionados pertinho da entrada numa vaga perfeita. Mas peloamordedeus!! Um subdimensionado, pra mim, já é um sinal de falta de planejamento e organização.

Até aí, morreu Neves, porque estávamos lá no nosso carro, tranquilos e calmos no ar-condicionado. Procuramos uma vaguinha na rua mesmo e, por sorte - Henrique sem-pre acha vagas ótimas, inacreditável... - achamos uma bem legal.

O problema do estacionamento não nos desanimou e pra completar, encontramos com nossos amigos Joe e Marla (www.noivacaipira.blogspot.com) que, apesar de casados, foram lá dar uma olhada no sucesso que o Casamento Caipira deles fez. Combinamos de nos separar para nós podermos ver as coisas com calma e depois nos encontrar no 2 piso da feira.

Lá vamos nós e... 3 minutos depois já tínhamos visto o primeiro piso inteiro. Sério gente. Eu achei que a gente não tava vendo pra onde continuava mas, na verdade, não continuava pra lugar algum!!! Ok, ficamos meio decepcionados, mas subimos acreditando que a parte de cima era beeem maior e teria beeeeem mais coisas pra gente ver, lógico.

Subimos. Uma muvuca sem precedentes. Eu não conseguia ver as coisas. Eu não conseguia nem andar! Tentamos ir por um lado dos stands e nada, um mar de gente comprimido em 2 metros quadrados vendo um desfile que estava tendo. E a gente pensando "oxe, essa agonia toda pra ver modelo vestida de noiva?" Tá, né?

Tentamos mais um pouco, mas desistimos e ficamos parados esperando ver se a coisa diminuia. 5 minutos depois o mar de gente começou a vir na nossa direção... que medo! E finalmente depois vimos o porque de tanta muvuca: eram Carla Perez e Xandy (??????) que estavam desfilando. Bem vindo à Salvador.

Acabou a muvuca e lá vou eu toda animadinha passando pelos stands, olhando curiosa pra ver as coisas. O piso superior realmente era beeeeeem maior. Demoramos uns.. 5 minutos. Poxa, 2 minutos a mais do que o inferior, gente!!

Faça-me o favor. Um fiasco. Primeiro que os fornecedores parecem que vão para feira para entregar folder de propaganda. A gente chegava, queria conversar, ver coisas, principalmente de flores e decoração, mas não rolou. Primeiro que os stands especificamente para isso eram 4, no máximo e só tinham mesmo o que estava no stand. Álbum de fotos? Pra quê? Conversa por mais de 2 minutos? Pra quê?

Eu lá, cheia de esperança em ver coisas novas, fornecedores novos, idéias. Nada. E mais uma vez eu tenho a honra de vislumbrar os mesmos fornecedores, as mesmas panelinhas, os mesmos álbuns de fotos e vídeos de sempre, a mesma decoração do mesmo stand da oooutra Feira que teve em abril. Terrível.

A sorte é que a gente levou na esportiva total, deu foi muita risada e GRAÇAS A JAH a entrada era franca. Deus -me-li-vre ter pagado pra ver aquela bagaça.

Ai ai... pelo menos rendeu um post aqui no Blog e uma tacinha do Miolo Brut.


sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Feira de Noivas

Meninas, obrigada pelos comentários e dicas no outro post! Dica de noivas (e casada, né Dona Emmibi?) vale ouro!

Daqui a pouco estou saindo para a Expo Noivas.

Estou curiosa porque tem alguns fornecedores que espero encontrar lá!!

Adorei que o marido vai comigo, por livre e espontânea vontade!! Acho que ele gostou da outra que fomos e passamos quase o tempo todo falando mal das pessoas, dos expositores cafonas!! hahaha Nos divertimos demais, parecendo duas velhas corocas...

Bem, lá vou eu. Depois volto para contar novidades.

Beijocas

terça-feira, 29 de julho de 2008

Voltei!

Não pessoas, eu não fugi!!! Mentira, fugi sim. Mas como todo bom filho (cara de pau), a casa torna, aqui estou eu.

O mês de julho foi uma loucura de meu deus: trabalho, trabalho e mais trabalho, fora os preparativos. É bem verdade que esses, coitadinhos, ficaram em último lugar e por isso, vocês já devem imaginar: sem novidades!

As únicas são as confirmações com contratos devidamente assinados primeiras parcelas pagas do buffet e do local. Ah é! O local já foi decidido! O último lugar da face da terra, onde nunca pensei em fazer o Casório, por mil motivos que não citarei aqui porque... ah é! Porque o lugar é surpresaaaaaaa! Só posso dizer que é lindo, confortável, e com uma bela vista.

Decidimos parar de alardear o casamento, mesmo para as pessoas mais próximas, porque todo mundo faz centenas de milhares de expectativas o que me faz ficar mais ansiosa, nervosa e obcecada, causando medo e terror no meu marido; e medo e terror é a última coisa que eu quero causar no homem se não ele não vai casar comigo (deus me livre, toc toc, pé de pato - mangalô -três vezes!) - pela segunda vez, o quê, por si só, já é um grande feito.

Assim sendo, vamos fazendo as nossas coisinhas quietinhos, na moita, tranquilos e calmos (mais os primeiros do que os segundos, obviamente).


A bola da vez são as dúvidas: 1. estamos pensando em quitar o valor do buffet logo e nos livrar disso. O medo é o dito cujo falir e ficarmos a ver navios; é improvável, porque é um fornecedor bom e não aparenta sinais de cansaço mas o risco existe, é fato. 2. Sim, pagaremos o local à vista também e esse sim, não nos oferece nenhum (ou o menor possível) risco. O problema de lá é que é obrigatório o serviço de manobrista e estou na maior crise: se deixo o povo pagar ou se pagamos o serviço. É bem verdade que, além de ser bem mais elegante, pagarmos o serviço é muito gentil com os convidados. Abre parêntesis Acho que vale mais investir nisso do que gastar cifras com lembrancinhas inúteis, que só vão fazer os convidados parecerem que sairam de um quarto de hotel de tanto souvenirs. Adoooro coisinhas fofas e inúteis e as colocaria somente sob duas condições: 1. se eu tivesse dinheiro sobrando; 2. se eu pudesse fazer sacolinhas lindas para os convidados sairem chiques e charmosos da recepção. Como a segunda condição depende da primeira e a primeira depende da mega-sena... Fecha parêntesis

Voltando ao manobrista... Pois, perguntei a um amigo, muito amigo e que muito considero, e ele argumentou que acha péssimo os convidados pagarem, porque além da deselegância - pegou no ponto fraco de qualquer noiva - os convidados, principalmente as mulheres, gastam com salão, roupa, presente e ainda vão ter que gastar com manobrista.

Confesso que fiquei tensa na hora do deselegante, mas... no quesito salão e roupa eu acho que é o mínimo irmos bonitos para um evento que é sempre preparado com tanto carinho e dedicação; no quesito presente eu até concordo, mas não teremos lista de presente, ou seja: ninguém vai gastar nem um centavo com isso; e por último: já gastou com salão e roupa pra estar lindão, vai sair no álbum e ainda vai ficar chorando miséria por causa de 6 reais???? Faça-me o favor.

É mais ou menos assim:

Salão e roupa: 300 reais

Manobrista: 6 reais

Estar para sempre no albúm do casamento do ano: NÃO TEM PREÇO

ui, segredo... Quem é que falou em não alardear o casório mesmo, gente?

terça-feira, 10 de junho de 2008

Contagem regressiva: 11 meses!


A Fabi Sampaio me lembrou ontem, ainda bem, porque eu nem tava me lembrando!!!

Confesso que estou achando que está super demorando, não vejo o tempo voar como as meninas falam. O que é bom por um lado, porque eu preciso de prazos para pagar tudo!


Também confesso que estou um pouco enjoada dos preparativos. Eu adoro ver coisas de casamento, acho muito divertido. Mas não é nada divertido não ver o seu Casório chegar, adiar uma, duas, três vezes e achar que isso é um sinal pra desistir de tudo.


Hoje eu ainda vejo tudo que aparece na minha frente sobre casamento como uma possível idéia, inspiração, dica... e isso me deixa louca! Fica tudo mental demais e eu quero ver a festa acontecendo. [suspiro]

Que venha a interminável maratona dos próximos 11 meses...


ps: a foto é meio macabra, mas achar uma foto de uma noiva correndo que não seja a Julia Roberts é im-pos-sí-vel...

segunda-feira, 9 de junho de 2008

O buffet

Deus do céu. Depois de quase 1 ano organizando o Casório, mudando data, quase desistindo, mudando espaços, concepções, deixando minha assessora louca, fechamos um dos, senão o mais importante contrato: o buffet.

Sim, deu certo. O Maná Dourado, da feira que fomos há algumas semanas (e posts atrás), foi a melhor opção. Foi o que mandou um orçamento mais próximo do que queríamos e não encontrávamos de jeito nenhum. Próximo assim, né, a parte da comida: porque não inclui nenhum ítem de decoração, apenas os ítens de serviço como pratos, copos, talheres, cumbucas, equipe etc.

Mesmo assim, estou em êxtase. Juro que achei que esse casamento ia sair nem perto do que eu imaginava. Aqui em Salvador esse é um serviço problemático - como a maioria - porque os buffets que fazem coisas diferentes da média, cobram muito caro. E muito caro é um valor que eu não posso pagar. O Maná nos ofereceu um serviço de qualidade por um preço mais atrativo. Longe, muito longe de ser barato, mas possível.

Hoje fomos lá, degustamos a maioria dos ítens que terão na festa - doces e salgados - e estava tudo delicioso! Ficamos encantados com o atendimento de Dona Nélia - a dona - foi excelente. Claro que um bom atendimento é sempre o que esperamos, mas ela nos deu um atendimento excelente e isso superou as expectativas. Ainda serão feitos ajustes no cardápio, até porque, até maio do ano que vem, com certeza ela aparecerá com coisas novas.


Também reservamos o espaço para o casamento. Decidido, decidido, não está. Mas está quase. Pelo menos está reservado. Agora esse nome não será revelado tão cedo. Senão vai acabar com a principal surpresa do casamento.... Esse eu não conto de jeito nenhum!

Estou muito feliz, muito mesmo. Achei que esse dia nunca ia chegar. Pode bem ser exagero de noiva, mas é bom ser exagerada com prerrogativas...



quarta-feira, 4 de junho de 2008

O mundo surreal dos (ex) casamentos

Eu sei que esse é um blog sobre casamentos e que falar sobre ex-casamento pode parecer estranho. Mas como se trata de uma piada, tá valendo.

Vagando pelos blogs alheios agora no almoço, parei no blog da Verônica e me deparei com essa, digamos, preciosidades: convites de casamento especiais para os Ex!!! ahahahahaha

Tudo bem que beira o mau gosto total e completo, mas é hilário, gente....








É ser muito má - porque isso é bem coisa de mulher, mesmo - e muito bem humorada ao mesmo tempo! Claro, um humor que corrói de tão ácido, maaaassss....

Valeu umas boas risadas.

ps: clicando nas imagens dá pra ler os textos direitinho!

domingo, 1 de junho de 2008

Lembraram de mim!!


Recebi o orçamento do buffet que eu tinha visto na feira!!!! ÊEEEE!

Lógico, não é um orçamento perfeito, porque isso não existe. Mas ficou num valor razoável e estou certa que ainda ficará num preço melhor, já que coisas que não queremos estão incluídas.

Ainda vou tentar mais negociações, porque sempre tem uma "gordurinha" nos orçamentos... ;D

O importante é que eu fiquei animada e pode ser que essa semana as coisas dêem mais um passinho.

Todos de dedinhos cruzados! ;D

segunda-feira, 26 de maio de 2008

A cor do casamento


Como nada foi resolvido ainda; nem o espaço, nem o buffet, nem outras coisas por que essas dependem das primeiras, vamos falar de amenidades casamentícias.

Hoje, falando com a Jo sobre as cores do casamento dela, me inspirei para escrever um pouco sobre isso. Eu já mudei umas 20 vezes as "cores do Casório". Sim, eu sei que é só daqui há um ano, mas na verdade, não seria....... o Casório já deveria ter acontecido desde março, que foi a nossa primeira data. Resultado: terminamos adiando mais de um ano e assim criei um monstro casamentício. Muito prazer, eu mesma.

Como já estivemos há menos de 6 meses da data, 2 vezes inclusive, já fui obrigada a pensar em todas as coisas: buquê, lembrancinhas, modelo de bolo, de vestido, véu, convite e, lógico, as cores.

Minha primeira opção de todas era o clássico branco e verde. Acho lindo, principalmente pra quem vai casar de noite, acho clássico e chique, dá luz aos ambientes. Mas rapidamente desistimos de casar à noite e rapidamente desisti dessa composição. A próxima da vez foi verde e lilás; a-do-ro essa composição de cores! Meu quarto é um verdinho clarinho e tem uma parede lilás o quê, além de comprovar meu apreço, pode concretizar visualmente o sucesso da composição. Mas sei lá porque, achei que para o dia, as cores deviam ser mais quentes e lilás e verde são cores igualmente frias.

Entrei na onda dos rosas. E olha que eu nem gosto de rosa!!! Mas acho romântico para um casamento diurno. Rosa e verde, é lindo e chique, mas não tem como neutralizar a associação com a Mangueira e, por isso, desisiti. Aí pensei em rosa, chocolate e pistache, mas achei muito escuro para o dia ainda . Pulei para o rosa, lilás, verde e branco e fiquei feliz, mas Henrique enfim manifestou-se, mas para se queixar, dizendo que era muito feminino, não que não fosse bonito, e eu tive que concordar com ele. Com a idéia de casar na praia, era um fato que precísavamos de cores quentes! Fui a uma creperia que tem na frente aqui da minha casa, eis que desavisadamente, estão as cores que me pareceram mais próximas do que eu queria e não sabia: amarelo, laranja e verde. Defini e essa foi a que durou mais tempo, mas comecei a encasquetar que o laranja daria o clima de lual que eu não queria. Fiquei insegura mas mantive a idéia.

Finalmente. Decidimos desistir da casa na praia e voltamos nossa procura para um salão, mas que tivesse vista mar - eu já vi esse filme antes... Passada a tristeza inicial, fiquei feliz pois tenho mais opções de composições. Ok, feliz?! Sim, afinal, agora eu também tenho tempo!!

Por acaso, quase sem procurar, acho minha cor dos sonhos: AMARELO. Simples assim. Já tinha - e continuo tendo - a certeza que terei um buquê amarelo. Também já tinha decidido minhas flores: margaridas. Que cor cairá melhor num casamento diurno num domingo??? Nem sei porque nunca tinha pensado nisso antes, mas pensei agora e estamos bem de tempo...



Cada hora que vejo uma decoração amarela, tenho certeza que branco e amarelo cairão melhor do que qualquer outra composição de cor. É alegre, iluminado, cheio de vida, remete ao ouro e ao sol. Pra quê melhor??? Tá decidido.

O problema agora é que dizem que não posso combinar a cor da decoração com a do buquê, mas infelizmente acho que não terei outra saída. Se bem que posso fazer um buquê bem amarelão, porque na decoração terá o branco também e .... Ok. Acho que chegou a hora do monstro dormir.

terça-feira, 20 de maio de 2008

E a vida continua...

Não sei de quem é essa foto, mas achei tão bonita e achei que tinha a ver, parecendo que apesar da chuva, há luz...



Meninas, obrigada pela força!! Acho que já internalizei a idéia de não casar mais na praia e nem estou achando ruim mais. acho que teremos uma preocupação a menos que é a chuva. Não só isso né, mas principalmente isso.

Minha tentativa agora é trazer a praia para um salão, sem que pareça um lual ou uma festa temática!! Estamos com um em vista, mas o quesito preço tem pesado. É um lugar massa, bem bonito, com vista mar. Mas também é badaladinho, não inclui os móveis e precisa de manobrista, o que encarece um pouco. Por outro lado, tem ar-condicionado, uma equipe ótima e uma sala vip para a noiva que é qual-quer-coi-sa de sensacionnaaaaal. Vamos ver que condições eles nos propõem, vamos pesar preço, conforto e qualidade e ver o bicho que dá. Vou fazer um suspensinho porque o
segredo, é alma do negócio.

Outro fato: o dia agora será num domigo.
O domingo dia 10/05/09 - dia do meu aniverśario!! Domingo é tudo mais barato - inclusive o espaço que queremos: 50% de desconto no domingo! - e melhor para um casamento matutino, porque sábado muita gente trabalha e é muito mais muvuca pela cidade. ÊEEE! Gostei mesmo da idéia de ter um Casório "Domingal". haha

A outra novidade é que eu e Henrique fomos a uma feira de eventos que teve no domingo e, além de vermos coisas horrendas, vimos uma ou outra coisa legal, o que foi beeeem legal!

Uma dessas coisas legais foi um buffet que já tínhamos visto anúncios, mas não tínhamos referências, o Maná Dourado. Eles estavam expondo lá na feira e podemos conversar com a dona, ver fotos e o melhor: degustar!!!!! Sim, finalmente alguém aqui em Salvador que pensa nisso, ufa. As coisas estavam gostosas, o que é ótimo se pensarmos que estavam preparadas desde cedo e não tão fresquinhas assim. Eles oferecem um serviço bem diferenciado para o que existe por aqui e o carro chefe deles são os finger food e as mini-porções - o que me fez ter quase uma síncope porque era exatamente o que eu queria, mas não achava.
A apresentação dos pratos estava ótima e a dona ainda me deu um tal de um alfajor com recheio de damasco que eu, por muito pouco, não me ajoelhei. Tudo bem que a massa não era exatamente massa de alfajor (estava mais para um sequilho bem molhadinho, derretia na boca), mas o sabor era delicioso, o recheio farto e bem suave, mas dava perfeitamente pra sentir o sabor e aroma do damasco.

Tudo bem, tudo bem: era um feira e nada mais certo do que apresentar um ótimo serviço mas, pelo sim pelo não, já fiz meu cadastro lá e eles entrarão em contato comigo por email pra marcarmos de me apresentarem o orçamento e degustarmos com mais calma. O que eu mais gostei foi poder vislumbrar a possibilidade de ter o que eu sempre quis sem ter que explicar para os fornecedores do que se trata.

Preço? Não faço a mínima idéia, mas não vou perder as esperanças, nem me animar demais (acho que isso já não vai mais ser possível...), porque eu tô ficando de saco cheio dos fornecedores me enrolando. Aliáááááás, falando niiiiisso, a tal banqueteira nem sinal. E pelo visto a fila provavelmente vai andar para ela...

Nasceu uma empolgaçãozinha em mim e isso dá outro gás, né? Ai, ai. Esse mundo casamentício é mesmo uma montanha russa...



quarta-feira, 14 de maio de 2008

Ilusões...

Mais uma decepção/decisão casamentícia. E lá se vai a idéia de casar na praia, de frente para o mar, num dia de céu azul e sol. Foi-se e não vai rolar mais.

Esperei ansiosamente para a chegada do mês de maio, não pelo meu aniversário, mas para enfim saber como estaria o tempo, ter uma idéia de como estará ano que vem. E todas as previsões são as piores possíveis. Na sexta feira, dia 2/05 fez um sol lindo e no sábado também. E o dia não estava quente, estava só bonito, com o céu azul e o tempo fresco. Pensei com os meus botões que ano que vem, no dia 09/05 poderia estar um dia assim. Ficaria tudo lindo, como eu sempre imaginei. Mas na terça feira, dia 06/05 a chuva começou e até hoje não parou mais.

Estávamos com medo de chuva desde que decidimos a nova data do casamento; maio é o mês que chove o maior volume de água no ano, mas não todos os dias. Eu sabia disso, mas alguma coisa ainda mantinha minha esperança acesa. Desde que a chuva não parou, no fundo, já havia decidido que não ia arriscar. A casa que alugaríamos não tem cobertura, não dá pra todo mundo correr e ficar confortável: tem sol ou tem sol, não há saída. Ontem, conversei com Henrique - estimulada por uma coisa que eu li no Flickr da Carol Pires, minha fotográfa: "
quem casa em maio, quer chuva!" - e ele também estava pensando a mesma coisa. E rapidamente desistimos da casa e da praia. Não vamos insistir no equívoco ou então confiar em promessas - que eu já tava me preparando pra fazer pra Santa Clara. Vamos mudar a estratégia.

Minha tristeza nem é tanto pela praia, por deixar de ter um casamento paradisíaco. Minha tristeza é saber que desde setembro do ano passado estamos nessa lenga-lenga e nada de concreto acontece no nosso casamento. Tudo bem, tenho a assessora, a fotografa, a maquiadora e o sapato. Mas e o resto?? O resto que é o principal, que é o mais caro: buffet, espaço, decoração, flores? Cadê????

Henrique propôs que mudássemos de data. De jeito nenhum. Já estamos na nossa terceira data, já adiamos quase 2 anos a bagaça do casamento e eu já estou enchendo o saco, deixando de curtir. Fora que temos dois fornecedores já contratados - assessoria e fotografia - o que exigiria um remanejamento novamente delas e isso não é justo. Não sei nem se é esse o caso, mas eu não quero, seja o caso que for. No máximo, passaremos do sábado 09 para o domingo 10, até porque as coisas costumam ser mais baratas no domingo, ainda mais de manhã - coisa que eu não abro mão. Pelo menos de dia, esse negócio vai acontecer.

E de volta à procura de espaços que caibam no meu bolso e preencha as expectativas do meu gosto. [suspiro]


terça-feira, 13 de maio de 2008

Sapatinhos Mágicos


A pedidos.... O SAPATO VERMELHO!!!

Ele não é lindo? Ah, eu fiquei namorando ele, olhando, investigando, procurando pra ver se achava algum defeito, mas não: ele é PERFEITO! Na foto ele tá um vermelhão bem vivo, mas ele é um pouco mais fechado do que está aí.

De perfil, com o saltinho bojudo lindo!

A minha paixão por sapatos vem de longa data. Tem uma história que inclusive já virou lenda urbana da família. Só não é lenda mesmo, porque eu me lembro de tudo e também, lógico, aconteceu comigo.

Eu deveria ter uns 4 ou 5 anos, quando fomos passar o Natal no Rio, na casa dos meus avós maternos. Foi uma farra, porque foi uma das últimas - se não, a última - viagem em família de verdade. Todo mundo junto, a primaiada toda reunida, uma beleza. O meu sonho era ter um sapatinho de boneca de verniz preto, daqueles que tem uma tirinha que amarra no tornozelo. E nesse ano, algo me dizia que Papai Noel leria a minha cartinha e atenderia meu pedido. Dito e feito. Eu tava tão nervosa, que nem esperaram a manhã do dia 25 pra me darem o presente.

Me lembro a sensação de desejo realizado, eu fiquei olhando o sapato, foi me dando uma vontade de chorar, mas eu fiquei firme. Calcei o sapato e me senti o máximo; nada poderia ser melhor. Fiquei tão alucinada que depois, de banho tomado e pijama, fui quietinha, peguei o sapato, calcei de novo e dormi com ele. hahahahahaha Quando minha mãe viu, não acreditou!! Se não me engano, tem até foto pra comprovar...

Pois, na quinta-feira passada, quando Henrique chegou com o vermelho bola-da-vez, quase tive um treco. E contei essa história para ele que, óbvio, teve um crise de riso, me fez prometer que eu não dormiria de sapato e me chamou de maluca. Achei uma injustiça, porque afinal, eu nunca escondi dele que sou doida! Mas mesmo assim, debaixo de protestos, prometi.

Estou feliz e curtindo horrores o meu sapatinho. Coisa vai ser aguentar atéééééé maio do ano que vem pra usar o dito cujo. Ainda bem que minha super assessora se ofereceu para guardá-lo em casa porque, confesso, não sei se resistiria!!!!! hahaha

E aí, o que acharam dele? ;D

ps: para os curiosos, ele é da New Order, loja sensacional de sapatos, bolsas e acessórios. Queria tuuuudo de lá!